Haddad (PT) finalmente estabelece metas e termina primeiro turno à frente do ranking

Na última atualiação do ranking, ao meio de setembro, havíamos cobrado do candidato à reeleição Fernando Haddad (PT) uma postura mais firme, de confronto às propostas de outros candidatos que sinalizam retrocessos graves nas conquistas dos últimos anos com relação à mobilidade. É exatamente o que o atual prefeito fez, o que o coloca, às vésperas da votação do primeiro turno, na primeira posição do nosso ranking.

Nos últimos debates, programas televisivos e entrevistas, Haddad assumiu de forma clara o discurso de que as medidas que colocou em prática em sua gestão, como a redução de velocidades na cidade, o aumento da fiscalização de motoristas transgressores e a implantação dos 400km de infraestrutura cicloviária, fazem parte de uma agenda internacional de preservação à vida e que busca zero mortes no trânsito. Um posicionamento deste tipo não apenas defende sua gestão. Em uma campanha mais longa, e talvez mais séria, forçaria os outros candidatos a elevar o nível de suas propostas.

Mais do que generalidades ou boas ideias, sempre cobramos metas. Haddad entregou metas claras e adequadas para a ampliação da malha cicloviária, adequação de calçadas e rede de mobilidade a pé e implantação de acessibilidade universal nos ônibus, além de sinalizar com uma expansão no sistema de bicicletas compartilhadas – tema praticamente esquecido nesta campanha, exceto por uma ou duas menções genéricas.

O candidato também tem revelado, agora com ações mais estruturadas, como priorizará a mobilidade coletiva e ativa em São Paulo, como enfatiza a Política Nacional de Mobilidade Urbana e o próprio Plano Municipal de Mobilidade da capital paulista. Para os ônibus, há sinalizações rumo a uma mudança da matriz energética, ampliação de faixas exclusivas e aumento de algumas gratuidades, deixando também mais clara a agenda – inexistente em alguns candidatos – de que o veículo motorizado particular deve ser desincentivado em prol dos modos coletivos e ativos de transporte.

Haddad também parece apresentar uma visão mais clara de como pretende incentivar a descentralização da cidade, como prevê o Plano Diretor Estratégico. Na questão fundamental da participação social, também tem ressaltado a importância dos conselhos da cidade. Finalmente, até pelos temas apresentados nos debates, tem falado muito sobre suas metas para a iluminação pública na cidade, o que para a mobilidade ativa é particularmente importante, devido a questões de segurança.

 

O que disse o candidato sobre itens novos que pontuam; itens repetidos não estão listados abaixo.

Record News
“Trânsito e transporte melhorou segundo o raking da Tomtom (empresa holandesa de GPS), caiu da 7º para 58º posição de pior transito. Aí, vem alguém e diz: Foi a Crise! Rio e Recife e Salvador continuam igual… O número de acidentes caiu drásticamente. Qdo assumi, 100 pessoas feridas ou mortas por dia. Reduzimos os acidentes em 30% e, se mantivermos o compromisso com a vida, vai cair ainda mais. Com concientização! As pessoas precisam se consientizar que o trânsito é uma guerra. No Brasil de hoje, 50 mil mortos por ano… eram 1500 em SP, hoje menos de 1000.” Relacionado ao compromisso 5.1.11 – complementar, ganha 275 pontos.

“As faixas exclusivas de ônibus tinham uma resistência enorme, hoje têm 95% de aprovação. Em uma cidade com SP, você tem duas opções: ou vc pode descentralizar o serviço público para levá-lo à periferia ou melhorar a mobilidade”. – Relacionado ao novo compromisso de apoiar descentralização da cidade, ganha 200 pontos.

“Vamos continuar fazendo calçada, fazendo ciclovia, fazendo faixa de ônibus, isto é ser civilizado. Isto que estão fazendo na campanha é a barbárie. Querer voltar a velocidade vai ser uma vergonha internacional. A ONU, as ONGs estão mandando o mundo inteiro fazer segurança no trânsito, e São Paulo ao invés de comemorar os dados do número de feridos… Pergunta: Vc viu os dados dos nossos atletas paraolímpicos? Uma boa parte vítima de acidentes no trânsito.” – Relacionado ao compromisso 5.1.12 – ganha 79 pontos.

“Instituto Pólis faz questão sobre os canais de participação Haddad – Nós revitalizamos todos os conselhos da cidade, inclusive os que estavam desativados como o conselho municipal de habitação. Criamos a paridade de gênero, em todos os conselhod as mulheres tem no mínimo 50%. Criamos os conselhos das cidade, criamos os conselhos participativos em todas as 32 subprefeituras. Defendo publicamente a eleição direta para subprefeito. Uma lei com plebiscito para obras que sejam controversas. Estamos apostando na Democracia. Temos o Gabinete aberto. Muitas das propostas que fizemos não vem do partido. Vem da Sociedade. Paulista Aberta veio da Sociedade. Carnaval de rua veio da Sociedade. Lei de fomento da perifa. O PDE que redesenha São Paulo foi feito com mais de 100 audiências públicas e foi consagrado por votação expressiva, lembrando que eu não tenho maioria na câmara. E a Camara aprovou porque a sociedade participou.Eu acredito na radicalidade da participação social e da Democracia.” – Relacionado ao compromisso 4.3.2 – ganha 175 pontos.

G1
“Haddad disse ainda que nunca ouviu reclamação sobre “radares pegadinhas” na cidade de São Paulo. “Se eu tomar conhecimento eu mando rever. Saio na rua o dia inteiro. Nunca me apontaram um endereço. Se apontarem eu vou mandar rever. Se eu receber a reclamação, revejo todos”” – Relacionado ao compromisso 5.1.10 – ganha 82 pontos.

“É a favor do fechamento definitivo do Minhocão para carros? – Não” – Relacionado ao compromisso 2.5.5 – Negativo, perde 200 pontos.

Propaganda eleitoral #15
Fala dos corredores de onibus e suas vantagens com a diminuição do tempo de viagem. Bilhete único mensal e semanal economizando para o usuário. Propõe passe livre do desempregado. Relacionado ao compromisso 3.1.3 – Complementar, ganha 227 pontos.

Programa de governo
“Assim como em todas as grandes cidades do mundo, Haddad partiu de 3 premissas básicas para resolver o problema. A primeira é que a expansão das vias para carros não vai resolver o problema dos grandes centros urbanos. (…) A segunda se refere ao necessário enfrentamento da cultura do automóvel. (…) A terceira é que a construção de transportes públicos que não afetam o tráfego de carros, como o metrô, se tornou muito cara e complexa, e portanto é necessário investir em soluções mais simples e baratas para o transporte público. Essas premissas estão sintonizadas com a Política Nacional de Mobilidade Urbana (…). A partir disso, o governo Haddad teve a coragem de promover uma verdadeira reforma viária na cidade, uma democratização da malha viária seguindo especificamente essa hierarquia estabelecida na Política Nacional. Essa concepção foi consolidada na elaboração participativa do Plano Municipal de Mobilidade.” – Relacionado ao compromisso 4.3.7 – Complementar, ganha 168 pontos.

“Visando a mortalidade zero no trânsito, ampliar e fortalecer o Programa de Proteção à Vida, com ações de acalmamento de tráfego, aprimoramento da fiscalização e educação de trânsito, com a meta de reduzir o índice de mortes no trânsito para até 6/100 mil hab./ano até 2020” – Relacionado aos compromissos 1.4.1 e 5.1.10 – Complementar, ganha 633 pontos.

“Ampliar o programa de adequação das calçadas, respeitando as especificidades das regiões da cidade, chegando a 1 milhão de metros de vias até 2020, seguindo a meta prevista no Plano Municipal de Mobilidade Urbana” – Relacionado ao compromisso 2.1.1 – ganha 268 pontos

“Implantar mais 325 km de rede cicloviária, conforme estabelecido no Plano Municipal de Mobilidade Urbana, priorizando a implantação em pontes e viadutos e as ligações do centro com a periferia” – Relacionado ao compromisso 1.1.1 – ganha 373 pontos

“Avançar no sentido da gestão unificada da Mobilidade Urbana, com uma área dedicada ao planejamento, projeto e implantação da rede de mobilidade a pé” – Relacionado ao compromisso 2.1.4 – ganha 531 pontos

“Viabilizar a ampliação do uso de tecnologia limpa nos ônibus, buscando fontes de financiamento específicas para esta finalidade de forma a não onerar as tarifas” – Relacionado ao novo compromisso de mudança de matriz energética, ganha 210 pontos

“Implantar acessibilidade universal em 100% da frota de ônibus” – Relacionado ao compromisso 2.3.2, ganha 642 pontos

“Desenvolver os centros de bairros e o comércio de rua. Realizar estudos de vocação econômica visando a criação de empregos e a qualidade de vida. Aplicação de tecnologias para cidades seguras (LED e monitoramento). Criar o programa de urbanização e acesso a crédito.” – Relacionado ao novo compromisso de descentralizar a cidade, segundo o Plano Diretor – ganha 200 pontos

“Estruturação efetiva da mobilidade metropolitana, com priorização do transporte coletivo público, integração tarifária metropolitana, integração real de uma rede metropolitana das modalidades prioritárias de transporte no território – ônibus, bicicletas, metrô, trens – acompanhadas da racionalização da circulação em transporte privado motorizado” – Relacionado ao novo compromisso de articulação com outros municípios, ganha 240 pontos

“Ampliar o Programa Ruas Abertas, que abre ruas para o lazer da comunidade aos domingos, garantindo sua efetivação em todas as subprefeituras da cidade” – Relacionado ao compromisso 2.5.5, ganha 724 pontos

“Ampliar as áreas verdes e arborizadas da cidade e foralecer  gestão de áreas verdes” – Relacionado ao compromisso 2.4.5, ganha 304 pontos